Text Size
   

Qual a importância da limpeza para o equipamento?



As sujeiras, os detritos e os materiais estranhos constituem causas de defeitos, desqualificações, operações em vazio, paradas temporárias (denominadas no Japão como chokotei), sendo causas de diversos problemas no ambiente de trabalho. Existe também o lado psicológico sobre as pessoas, pois um ambiente pouco salutar induz as pessoas à indiferença, o que torna difícil o afloramento das causas ocultas.

A limpeza possibilita o atingimento das condições operacionais básicas do equipamento, atacando e prevenindo folgas, atritos, imperfeições, solturas das fixações, deformações, vazamentos, trincas e outras anormalidades tanto dos equipamentos como das ferramentas e dispositivos.

Os detritos e as sujeiras provocam inúmeros danos; alguns exemplos usuais são:

Entupimento, atrito, vazamento, interrupção de sistemas mecânicos, hidráulicos, pneumáticos e elétricos;
Queda na precisão ou acionamento inadequado dos comandos;
Bloqueio nas alimentações das matérias-primas, fluxo dos produtos em processamento, etc. provocando as operações em vazio, paradas momentâneas ou produtos com defeitos;
Contaminação dos pontos de contato dos relés de controle;
A adesão ou incrustação dos resíduos nos moldes e ferramentas, impedindo assentamento ou ajustes durante mudança de linha ou regulagem, provocando inclusive a queima de materiais;
Adesão de materiais contaminantes provocam encaixes irregulares, resultando em descentragens ou deslocamentos;
Coberturas superficiais inadequadas (pintura ou niquelagem);
Dificuldade na condução da manutenção, principalmente na visualização de estragos;
Deformações, vazamentos e outras modalidades de falhas ocultas;
A indisposição psicológica para execução de uma tarefa;
Contaminação durante a desmontagem provocando novos estragos;
Maior tempo para consertos.

O contato do operador com as partes interiores da sua máquina despertará o seu interesse para detalhes técnicos e fará com que o cuidado durante o seu uso seja redobrado. A curiosidade gera dúvidas que se convertem em perguntas. As respostas constituem o catalisador de novas dúvidas e descobertas. Temos assim uma melhoria gradativa e contínua (denominada no Japão como kaizen).

Em algumas empresas há uma certa dificuldade para que os operadores aceitem a idéia de que serão responsáveis pela limpeza do equipamento e arredores, principalmente naquelas que não têm o 5S implantado, e/ou onde o sindicato de trabalhadores é forte e ignora o que é 5S ou TPM. Nestes casos, a atividade de limpeza pode ser interpretada como “mais uma exploração do patrão”.  Por isto deve ser dada toda a informação para os trabalhadores e seus líderes do real objetivo do 5S e da Manutenção Autônoma.

Outro entrave que a limpeza encontra é justamente pela própria Produção. Os supervisores que são cobrados para atingir as metas de produção, tendem a enxergar a atividade de limpeza como uma perda de tempo e não como uma agregadora de valor. Caso isto ocorra, significa que o treinamento não foi eficaz. Caso o problema seja localizado, ou seja, apenas com alguns supervisores, os resultados de produção de outros supervisores adeptos à limpeza serão os melhores comprovadores de que vale a pena investir na limpeza. Em algumas empresas que têm o 5S implantado, as atividades de limpeza não são praticadas com a postura de inspeção, resumindo-se à eliminação de sujeira e pintura de pisos e equipamentos. Uma prova disto é a falta de uma listagem de problemas que poderiam ser detectados durante a limpeza. Desta forma, os operadores e supervisores que são cobrados para atingir determinadas metas de produção, passam a entender esta atividade como perda de tempo.

Uma vez vencidas as barreiras, surgirão as perguntas:

Por que surgiram estas sujeiras e detritos e quais as conseqüências? Quais as implicações e o que poderão provocar?
Qual o local da sua origem? Como fazer para bloqueá-las?
Quais as alternativas para um trabalho com menor esforço?
Por que as porcas e os parafusos estão soltos? Quais as razões do atrito e de desgastes?
Qual a função deste componente?
Se surgir um problema nesta peça, como efetuar o seu reparo? Qual o tempo consumido nesta ação?

Estas e outras perguntas, ao serem discutidas com a supervisão e com a equipe de manutenção, permitirão o nivelamento dos conhecimentos entre os operadores. Também o planejamento das atividades para combatê-las, fará com que haja um domínio maior dos assuntos correlatos.

Em várias empresas japonesas é comum a prática da limpeza para a descoberta dos “5K”, conforme o abaixo:

Kiken – Perigoso
São detectados todos os pontos e atividades que podem levar ao acidente.

Kitanai - Sujo, Feio
As atividades sujas e/ou que geram sujeira são analisadas, pois trazem perda de tempo para a limpeza, além de causar problemas para o equipamento, para o ambiente e para a segurança.

Kitsui – Pesado

Todas as atividades pesadas, que exigem esforço físico elevado ou repetitivo devem ser eliminadas ao passar a ser executadas por máquinas.

Kurai - Escuro

Locais de trabalhos escuros, mal iluminados ou pintados com cores escuras dificultam o acesso visual, evitando a detecção precoce a um possível defeito. Logo, deve ser buscada uma solução para isto.

Kusai – Fedorento

Qualquer poluição química e odor desagradável prejudica às pessoas, não só no conforto, mas também à saúde. A fonte do problema deve ser atacada, mesmo que para tal sejam necessários investimentos.

Os “5K” são problemas normalmente acomodados e que, a partir de uma nova visão crítica dos operadores, são aflorados e devem ser eliminados ao longo da implantação da Manutenção Autônoma.

Livros Impressos

 
 

  Livros Impressos1.fw

Livros Digitais (eBooks)

Adquira aqui todos os produtos do Consultor Haroldo Ribeiro 
 

Livros Digitais

Cursos Digitais

  


Foto - Neutra